Sábado, 28 de Maio de 2022
22°

Poucas nuvens

Itabirito - MG

Geral Artigo de opinião

Compliance: Conceito e políticas de implantação - Coluna Direito & Filosofia

Carlos Henrique Franca Rodrigues

16/03/2022 às 18h30 Atualizada em 16/03/2022 às 20h34
Por: Jornalismo AgitoMais
Compartilhe:
Foto - Divulgação
Foto - Divulgação

Nos últimos anos, em especial após a famosa OPERAÇÃO LAVAJATO, temos acompanhado diversos casos sobre corrupção e lavagem de dinheiro, no Brasil e no Mundo. Com a dinamização das informações globais, os noticiários vêm exibindo os principais casos referentes ao assunto, nos mais diversos segmentos econômicos. Por isso, diversas empresas acabaram tendo sua imagem e reputação afetadas com os escândalos, tanto em nível de negócio, como também na esfera política e, diante disso, restou imperiosa a necessidade de implantação de políticas anticorrupção e contra a lavagem de dinheiro, interna e externamente, através do compliance. Mas o que significa compliance?

Conceito:

Do inglês, o verbo to comply, significa estar de acordo com uma regra, ou seja, é estar em conformidade com leis e regulamentos. Seu conceito, portanto, tem a ver com a conduta de uma empresa e sua adequação às normas dos órgãos de regulamentação. Podemos dizer que o compliance abrange todas as políticas, regras, controles internos e externos aos quais a organização precisa se adequar. Tanto a empresa como todas as pessoas que nela trabalham, inclusive fornecedores, precisam se comportar de acordo com as regras dos organismos reguladores. 

Diga-se de passagem, que a difusão do termo se fortaleceu depois da promulgação da Lei 12.846/13, conhecida como LEI ANTICORRUPÇÃO e de sua regulamentação pelo Decreto n.º 8.420/15.

Pilares de um programa de compliance:

Um programa de compliance precisa estar bem formulado, não se limitando a meras recomendações técnicas, devendo existir órgãos que facilitem a identificação das não conformidades, permita a identificação dos responsáveis e treine a equipe de forma constante, como forma de prevenir desvios. Como modelo, buscamos em material da Garcia de Oliveira Advogados, alguns pilares que devem ser seguidos para a implantação do programa, senão vejamos: 

Identificação: identificar quais são os potenciais riscos enfrentados pela organização e prestar a devida orientação; 

Prevenção: após a identificação dos riscos, desenvolver e implantar os mecanismos de controle para proteger e prevenir a organização de tais riscos;

Monitoramento e detecção: analisar e reportar acerca da efetividade dos controles de prevenção na administração da exposição a possíveis riscos;

Resolução de Problemas: esclarecer as dificuldades e resolver as ocorrências de não conformidade, caso surjam e conforme ocorram; 

Orientação e Treinamento: prestar assessoria para as áreas de negócios da organização sobre as regras/normas e controles, e treinamentos constantes à equipe. 

O monitoramento dos programas de compliance é feito mediante revisões periódicas de análise de riscos jurídicos e socioambientais. É fundamental, também, um bom programa de treinamentos, que deverão ser constantes, em especial nas áreas de riscos e sensíveis ao cometimento de infrações. Não menos importante, a existência de uma equipe jurídica qualificada, para a emissão de bons pareceres jurídicos sobre as questões pontuais, que atue mapeando as políticas e processos internos da organização. 

Tipos de Compliance:

Por serem aplicados nas mais diversas instituições, tanto da esfera pública, quanto da privada, vários tipos foram surgindo, dentre os quais:

Compliance Fiscal: como a legislação fiscal brasileira tem diversas nuances e um grande número de leis, importante este tipo de compliance para assegurar o cumprimento de toda regulamentação;

Compliance Tributário: busca, em especial, mitigar os riscos de cometimentos de infrações como concessão de benefícios irregulares, isenções, subsídios e tratamentos diferenciados indevidos;

Compliance Trabalhista: funciona como forma de fiscalização na cadeia produtiva, por respeitar as normas de Direito do Trabalho, criando normas de ética e padrões de conduta, tornando o ambiente laboral seguro e transparente; 

Compliance Empresarial: serve para mostrar à empresa, que os padrões seguidos estão de acordo com as normas de controle em todas as áreas do direito. 

Por fim, importante ressaltarmos que há a necessidade de que sejam seguidos todos os passos de implantação, criação dos órgãos internos de fiscalização e de punição em caso de cometimento de infração. Não basta apenas informar aos terceiros, que a empresa possui um programa de compliance, mas demonstrar a efetividade do programa é fundamental. 

Com este pequeno resumo, espero ter explicado de forma didática, um pouco do conceito de compliance e suas aplicações. Boa semana a todos! 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Carlos Henrique Franca Rodrigues
Carlos Henrique Franca Rodrigues
Sobre Graduado em Direito, pela Faculdade Mineira de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (OAB/MG 87.679); Pós-graduado em Ciências Sociais, Negócios e Direito pela Escola Superior de Advocacia de Minas Gerais, da Ordem dos Advogados do Brasil; Pós-graduado em Direito Penal e Processo Penal pela Escola Superior de Advocacia de Minas Gerais, da Ordem dos Advogados do Brasil; atuou no serviço público por 8 anos (2013/2021), nas áreas de Urbanismo e Segurança e Trânsito.
Itabirito - MG Atualizado às 14h27 - Fonte: ClimaTempo
22°
Poucas nuvens

Mín. Máx. 23°

Dom 24°C 11°C
Seg 26°C 11°C
Ter 27°C 12°C
Qua 26°C 13°C
Qui 26°C 13°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete